Marcadamente composta por traços negros e precisos, quase homogêneos, que (de)limitam a figura de um foguete estereotipado e familiar ao público das histórias em quadrinhos; mas que no entanto parecem se submeter à sua composição cromática - de cores fortes e industriais; esta obra é registro do intuito do artista de se fazer valer das técnicas e dos meios empreendidos pelas artes gráficas para o desenho comercial.

Despersonalizando seu traço, aposentando seus pincéis em prol da utilização de um rolo de borracha reticulado, apropriando-se e reproduzindo imagens de segunda mão, Tozzi cria seus ready-mades visuais; indiscutivelmente seus, no entanto.

Prêmio de aquisição da IV Jovem Arte Contemporânea do MAC-USP, este trabalho não apenas ilustra uma das fases mais conhecidas de Cláudio Tozzi, senão a utopia de toda uma época, de toda uma geração: para a qual todos os limites eram passíveis de serem ultrapassados. Tudo era possível, até mesmo a conquista da lua pelo homem.

Ana Claudia Salvato Pelegrini
[bolsista Cnpq / PIBIC]
Profa. Dra. Daisy Peccinini
[coordenadora]
A Subida do Foguete, 1969
Guache e ecoline s/ papel, 49.1 x 49.1 cm
Prêmio Aquisição IV Jovem Arte Contemporânea