YO YOSHITOME, BIN KONDO e FLÁVIO-SHIRÓ

Os artistas japoneses em São Paulo trazem um componente expressivo e trágico ao Grupo e uma magnificência oriental.

O dramatismo barroco de Yoshitome desenvolve uma pintura sensual de grandes dimensões, uma explosão mágica de imagens cromáticas, grandeza e dor nas evocações da guerra.


Yo Yoshitome. Drama 3, 1963. Óleo s/ tela, 140,5 x 200 cm.
Referência: PHASES – Surrealismo e Contemporaneidade. Grupo Austral do Brasil e Cone Sul. São Paulo: MAC-USP, 1997. P. 24.


Yo Yoshitome. Energia 1, 1963. Óleo e areia s/ madeira, 122 x 200 cm.
Referência: PHASES – Surrealismo e Contemporaneidade. Grupo Austral do Brasil e Cone Sul. São Paulo: MAC-USP, 1997. P. 24.


Na série de Fábulas de Bin Kondo, cenários de uma torturada narrativa pessoal, a linguagem consiste em "Estórias Plásticas", composições em técnica mista, onde formas fragmentadas do corpo humano estão unidas a partes de máquinas ou outros objetos.


Bin Kondo. Fábula, 1965. Óleo s/ madeira, 109 x 79,5 cm.
Referência: PHASES – Surrealismo e Contemporaneidade. Grupo Austral do Brasil e Cone Sul. São Paulo: MAC-USP, 1997. P. 24.


Bin Kondo. Fábula 1, 1963. Carvão s/ papel, 96,6 x 66,5 cm.
Referência: PHASES – Surrealismo e Contemporaneidade. Grupo Austral do Brasil e Cone Sul. São Paulo: MAC-USP, 1997. P. 24.


As pinturas gestuais de Flávio-Shiró estão carregadas de trepidante expressividade, com pinceladas densas e tortuosas. Ele trabalha a matéria pictórica como em turbilhões, fazendo aparecer figuras, imagens elementares de cores densas e fortes.


Flávio-Shiró. Tríptico, 1962. Óleo s/ tela, 46,2 x 116,1 cm.
Referência: PHASES – Surrealismo e Contemporaneidade. Grupo Austral do Brasil e Cone Sul. São Paulo: MAC-USP, 1997. P. 26.


Flávio-Shiró. Délfica, 1963. Óleo s/ tela, 170,4 x 235,6 cm.
Referência: PHASES – Surrealismo e Contemporaneidade. Grupo Austral do Brasil e Cone Sul. São Paulo: MAC-USP, 1997. P. 26.

Daisy V. M. Peccinini [coordenadora]