Referência: CINTRÃO, Rejane; NASCIMENTO, Ana Paula. Grupo Ruptura. São Paulo: Cosac & Naify, 2002. p. 52

Nasc.: Varsóvia, Polônia, 1913

“Se me perguntarem, o que é Arte para mim, diria que é tudo o que é significativo e revelador na minha vida. Diria, outrossim, que a visualizo como sendo uma ponte, ou ligação espiritual. Ponte, que me aproxima do Universo, dos Homens e do seu Criador; um elo frágil e balouçante que me conduz para o íntimo do meu ser (...) Mas, é um fazer-se lento e sutil, no qual a linguagem se revela pudicamente e aos poucos, feita de equilíbrios e contrastes, zonas frias opondo-se a outras quentes e no qual descobre-se a calma sabedoria das linhas horizontais, audácia das transversais e espiritualidade nas verticais, no qual as curvas conduzem a um sensualismo, ora contido, ora desenfreado, dançando em ritmos contundentes ou, então, encobertos sutilmente.”

Anatol Wladyslaw pode ser considerado o membro mais lúdico do Grupo Ruptura. Em sua fase concreta dos anos 50, manteve o rigor formal, mas com grande utilização de cores vibrantes. Veio para São Paulo em 1930, formando-se engenheiro eletrônico pelo Mackenzie em 1937. Em 1944, estudou pintura com Lucy Citti Ferreira, Yolanda Mohaly e Samson Flexor. Em 1947, fez sua primeira exposição, no Salão do Sindicato dos Artistas Plásticos.

Em 1950, sua obra era abstracionista geométrica. Em 1951, mesmo ano da I Bienal de São Paulo, fez uma exposição individual na Galeria Domus, chamando a atenção de Waldemar Cordeiro e Luiz Sacilotto, que o convidaram para participar do Grupo Ruptura. Em 1952, expôs com o Grupo, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, assinando o Manifesto Ruptura.

Wladyslaw, entre os concretistas paulistas, era o que menos se preocupava com a rigidez formal. Seus trabalhos sempre possuíram elementos emotivos, e sua fase concreta foi até, aproximadamente, 1954, quando aos poucos vai caminhando para um abstracionismo lírico. Já em 1959 suas obras são plenamente informais.

Tatiana Rysevas Guerra
[bolsista]
Profa. Dra. Daisy V. M. Peccinini de Alvarado
[coordenadora do projeto]