HÉLIO OITICICA
Metaesquema I e Metaesquema II, 1958
Guache s/ cartão, 52,0 x 64,0 cm. Doação Projeto Hélio Oiticica. Acervo MAC-USP.

Apesar de ter sido rejeitada pelo artista, segundo Aracy Amaral (In: Projeto construtivo brasileiro na arte (1950-1962). São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1977), a série Metaesquemas é um documento histórico de sua obra, e precisa ser estudada. Baseada na gestalt como estrutura de composição, cria jogos ópticos para o espectador, gerando uma ilusão de movimento. Esta vibração é dada, em primeiro lugar, pelo deslocamento em diagonal dos retângulos, que desestruturam o quadro e, em segundo, pela relação de contraste com o fundo.

A arte concreta foi o primeiro estágio do artista para chegar à morte da pintura de representação. A cor, que será explodida por Oiticica mais tarde, aqui aparece tímida, presa na estrutura formal. O artista rejeita a obra justamente pela construção concreta, que abandonaria um ano depois, na formação do Grupo Neoconcreto.

Tatiana Rysevas Guerra
(bolsista I.C. - FAPESP)
Profa. Dra. Daisy Peccinini de Alvarado
(orientadora - MAC-USP)