Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro. Em 1952, passou a freqüentar o Curso Livre de Pintura do MAM-RJ, sendo aluna de Ivan Serpa. Serpa que, segundo Ferreira Gullar (1985, p. 229), buscava experimentar a arte pura, deu à Elisa total liberdade de expressão para que pudesse desenvolver sua pintura naïf.

Serpa ainda a integrou ao Grupo Frente, em 1954, onde expunha em conjunto com artistas concretos. Essa postura mostra uma liberdade formal do grupo, mesmo possuindo influências construtivistas internacionais. Em uma época em que o abstracionismo era sinônimo de arte moderna, como aconteceu nos anos cinqüenta no Brasil, o grupo dava um passo à frente ao relacionar a modernidade não à forma abstrata, mas sim à atitude do artista. Elisa foi premiada nas II e III Bienais de São Paulo, mesmo que nestas mostras o abstracionismo predominasse.

Se a arte concreta estava relacionada a uma utopia universalizante do homem, tendo como base a sua racionalidade, acabava também atropelando culturas regionais tradicionais. Nesse sentido, Elisa resgatou em sua pintura esses elementos populares. Há quem chame sua pintura de inocente, mas estudar o regionalismo em uma época de predominância de uma arte de concepção tecnocrática, não é nada inocente.

Tatiana Rysevas Guerra
(bolsista FAPESP)
Profa. Dra. Daisy Peccinini
(orientadora)

ELISA MARTINS DA SILVEIRA
Teresina, PI, 1912
Rio de Janeiro, RJ, 2001
Home Mapeamento: Módulo III