Imagens usadas na colagem, da esquerda para direita: "Chegada de Muratori", Cícero Dias, 1927; "Auto-Retrato", sd, Ismael Nery; "Sem título (cabeça de Cristo)", 1925, Antônio Gomide; ilustração de Di Cavalcanti para livro "Fantoches da meia-noite", de Monteiro Lobato; "A Negra", 1923, de Tarsila do Amaral; "Portadora de Perfume", de Brecheret; estudo de poltrona, de John Graz
 


 
Retrato da Sra. Dr. W, 1919 
Crayon s/ papel, 22,7 x 17 cm

Esta gravura é fortemente marcada pela influência do grupo de expressionistas Die Brücke - A Ponte, de Dresden, onde Lasar Segall vivera desde 1910.

Os traços angulosos e a despreocupação com as proporções trazem grande semelhança com as obras do mesmo período de Karl Schmidt-Rottluff, como as pertencentes ao acervo do MAC, Auto Retrato, sem data e Mãe, de 1916. A expressão de angústia e isolamento que podemos notar nestes três desenhos resultam da participação que ambos tiveram durante a Primeira Guerra, Rottluff como combatente do exército alemão, e Segall como prisioneiro em um campo de concentração, experiência que marcará sua obra de maneira notável.

C. A. G.


Perfil de Zulmira, 1928
Óleo s/ tela, 62,5 X 54,0 cm

Em 1928, depois de cinco anos residindo no Brasil, Lasar Segall abandona a angularização dos traços e a crueza do desenho: sua obra parece ganhar sensualidade e alegria, através das curvas e das cores tropicais. O negro passa a ser tema constante, junto com marinheiros e prostitutas. É necessário notar a densidade plástica da figura como resultado da contraposição contra um fundo decorativo, recordando os recursos compositivos de Tarsila em A Negra.

C. A. G.


Duas figuras, 1933
Guache s/ papel, 46,5 X 70,0 cm

Nesta época, Segall já era figura ativa e importante no movimento modernista brasileiro, tendo sido, no ano anterior, um dos fundadores da Sociedade Pró Arte Moderna. Sua obra passa a ser contraponto à influência predominantemente francesa e italiana na pintura paulista.

Este desenho marca o retorno da angústia e solidão expressionistas. Apesar das tonalidades claras e tropicais, a composição é despojada de outros elementos, dando ao casal uma expressão solitária e melancólica. Ao contrário do Perfil de Zulmira, que traz uma preocupação maior com o requinte e acabamento da obra, aqui Segall retoma a crueza no desenho, que vai defender como o único meio de expressar verdadeiramente o sentimento humano.

C. A. G.


[projetos mac] [projeto mac na web] [modernismo brasileiro] [art déco] [antecedentes] [a semana] [1ª geração] [teatro] [contato]