De cima para baixo: Paisagem, 1941, Col. Part.; Paisagem com Capela, 1942, Col. Part.
De cima para baixo: Paisagem, 1941, Col. Part.; Paisagem com Capela, 1942, Col. Part.

Último artista a integrar o Grupo Santa Helena, é também um dos poucos não oriundos do subúrbio paulistano. Suas paisagens privilegiam a zona rural e os elementos interioranos do estado, valorizando sempre a presença do homem neste ambiente. Embora seu nome seja pouco reconhecido, a importância do pintor se deve principalmente à atuação frente aos ateliês do palacete Santa Helena e sua participação nas exposições da Família Artística Paulista.

Rizzotti costumava atribuir sua escolha pela pintura ao contato com um artista cubano, quando ainda habitava a cidade de Serrana. No entanto, sua formação acontece na Itália, entre 1924 e 1935, onde cursa a Escola Profissional de Novaresa e a Academia Albertina de Turim, como aluno livre. Durante este período, sua produção artística permanece desconhecida. Retornando ao Brasil, passa a viver em São Paulo, freqüentando, a partir de 1937, o Palacete Santa Helena. De caráter introvertido, aproxima-se principalmente de Aldo Bonadei, com o qual compartilha estilo semelhante. Exerce as atividades de torneiro mecânico, mecânico de automóveis e fresador, convivendo bastante nos meios operários. Como era comum aos integrantes do Grupo Santa Helena, o contato com o proletariado marca a figura humana em sua obra, mesmo nas paisagens representativas do interior. O gosto pela representação de ambientes de vida simples, pelos retratos e os quadros de natureza morta são seus temas mais recorrentes e estão presentes nas obras das duas mostras da Família Artística Paulista das quais participou: a de 1939 e a de 1940.

O espírito severo e perfeccionista, reconhecido pelos colegas, é tido como um dos motivos para a pouca divulgação de sua obra. Costumava refaze-las diversas vezes, demonstrando constante insatisfação. Além disso, sofria de sérios problemas de saúde como um eczema e a alergia a tintas, o que lhe ocasionou inúmeras intoxicações. A persistência fez com que continuasse a pintar por muitos anos, apesar das desavenças médicas. Esteve em mais de uma edição do Salão Nacional de Belas Artes, ganhando a medalha de bronze (1942) e a medalha de prata (1947), e do Salão Paulista de Arte Moderna, premiado com a medalha de bronze (1963). Em 1946, esteve presente na grande exposição que reuniu três gerações de artistas brasileiros, no Chile. Impressionava principalmente por suas paisagens bucólicas e instintivas e seus tipos humanos populares.


Carolina Amaral de Aguiar
(Bolsista IC - FAPESP)
Profª Drª Daisy Peccinini
(responsável pelo projeto)