De cima para baixo: Colheita de Uva, 1939, Col. Part.; Esmola de Santo Antônio, 1938, Col. Part.
De cima para baixo: Colheita de Uva, 1939, Col. Part.; Esmola de Santo Antônio, 1938, Col. Part.
O mais clássico dos Santelenistas foi, junto a Portinari, Volpi e Graciano, muralista de estilo depurado e evocação românica.

Fúlvio Pennacchi chegou no Brasil em 1929, fugindo de uma intensa instabilidade econômica, que assolava o Mundo Ocidental, pós Primeira Guerra Mundial, recém saído da Academia de Belas Artes de Lucca, onde recebera grandes influências do Professor Pio Semeghini, impressionista, além dos Macchiaioli.

As dificuldades financeiras enfrentadas por Pennacchi, logo de sua chegada a São Paulo, coloca a pintura em segundo plano, levando-o a exercer atividades em diversas áreas, como professor de desenho do Colégio Dante Alighieri e até dono de um açougue. Pennacchi é redescoberto em 1933 pelo escultor Galileo Emendabili que fica fascinado pelos afrescos que decoram o estabelecimento comercial do artista e o convida a trabalhar como colaborador no seu atelier, e logo de inicio auxilia no projeto do "Monumento em Homenagem aos Mortos na Revolução Constitucionalista de 1932".

Em 1935, Pennacchi passa a freqüentar o ateliê de Rebolo Gosales, localizado no Palacete Santa Helena, onde os pintores Mário Zanini e Clovis Graciano montam seus ateliers, e concomitantemente era freqüentado por Alfredo Volpi, Manuel Martins, Alfredo Rizzoti e Aldo Bonadei, formando aquilo que o Professor, Historiador e Crítico de Arte Walter Zanini denominou de "Confraria", e que passou-se a chamar "Grupo Santa Helena".

Os trabalhos de Pennacchi, configuram uma intensa permuta do universo paulista e do cotidiano das vilas italianas, além da preferência pelos temas religiosos. Nesta área, o artista teve fundamental importância na concepção de vários afrescos, que decoram Igrejas e residências.

As primeiras exposições do artista foram coletivas, com destaques as exposições da "Família Artística Paulista", em 1937. Entre 1965 e 1972, o artista distancia-se do grande público, fazendo apenas alguns trabalhos por encomenda, mas não deixando de ser um período de intensa criação Em 1967, algumas de sua obras são mostradas na exposição "O Grupo Santa Helena 30 anos depois". Em 1973 a exposição "Pennacchi - quarenta anos de pintura" organizada pelo Museu de Arte de São Paulo, sobre a supervisão de Pietro Maria Bardi, foi o reencontro com o grande público.

Fúlvio Pennacchi, foi o último sobrevivente dos Santelenistas, vivendo até 1992.


Profª Drª Daisy Peccinini
(responsável pelo projeto)