Auto-retratos são momentos de uma carreira artística onde o artista se faz tema de sua arte. Como numa autobiografia, independente da mensagem a que se pretende, a obra sempre carrega vozes ocultas nas entrelinhas.

Esta tela retrata um Guignard com trinta e poucos anos, que se pinta com uma feição simpática e que evidencia um meio-sorriso de uma boca com vestígios de lábios leporinos.

O trabalho retratista de Guignard ficou conhecido, para além da habilidade técnica, pelo cuidado que dispensou aos fundos de onde as figuras se destacam. Neste sentido, esta obra apresenta um fundo de forte influência da perspectiva do renascimento e da pintura metafísica, com seu espaço poético e silencioso, de nuvens e névoa, marcado pela presença de uma coluna clássica.

 
 

 

 
 

Vanessa Machado (Bolsista IC- FAPESP)
Profa. Dra. Daisy V. M. Peccinini de Alvarado (coordenadora do projeto)