“Un gran pintor de corazón puro”. Pablo Neruda, Correio da Manhã, Rio de janeiro, 09.11.62.

Pancetti ficou conhecido no mundo das artes por meio de suas marinhas, nas quais sempre imprimiu o amor que tinha pelo mar. Assim sendo, suas paisagens marítimas sempre possuem uma conotação romântica, de subjetividade e comoção, que fez Menotti Del Picchia definir suas pinceladas como “tão certeiras que trouxeram para suas telas a própria essência do oceano” (A Gazeta, São Paulo, 24.11.62).

Nesta tela o pintor utiliza-se de um enquadramento enviesado e da simplificação dos detalhes. A integração orgânica e sintetizada dos elementos o aproxima das composições nipônicas, onde não se realizam as hierarquizações das formas. Como na maioria de suas marinhas, por meio da proximidade com as cores naturais, traduziu a beleza do litoral brasileiro não por sua exuberância e sim por seu lirismo. Contudo não um lirismo como o de Guignard, baseado numa pincelada sutil e diluída, e sim por uma materialidade vigorosa que lhe foi característica.


Vanessa Machado (bolsista IC-FAPESP)
Profa. Dra. Daisy V. M. Peccinini (coordenadora do projeto)