menu lateral

14/11/2018
Antoni Tàpies, Antonio Saura e Rafael Canogar: Obras da Fundación Juan March visitam o MAC USP

O Museu de Arte Contemporânea da USP está recebendo três pinturas pertencentes ao acervo da Fundación Juan March em contrapartida ao empréstimo da obra Unidade Tripartida de Max Bill. Essa ação tem como objetivo colocar o público brasileiro em contato com obras de Antoni Tàpies (1923-2012), Antonio Saura (1930-1998) e Rafael Canogar (1935-), importantes artistas espanhóis, ainda pouco conhecidos e estudados no Brasil.

Antoni Tàpies integrou o Grupo Dal au Set, que atuou entre 1948 e 1956, tendo se caracterizado pela proximidade com o Dadaísmo e o Surrealismo e pela fusão entre literatura e artes visuais. Após a dispersão do grupo, o artista passou a se dedicar ao abstracionismo informal, produzindo pinturas que incorporavam materiais inusitados com forte apelo táctil. Já Antonio Saura e Rafael Canogar estiveram entre os fundadores do Grupo El Paso, atuante entre 1957 e 1960, período durante o qual dedicaram-se ao abstracionismo informal. A partir do final da década de 1950, no entanto, Saura reduz drasticamente a paleta de cores de sua pintura e alinha-se à figuração, dando destaque à figura humana deformada por uma forte gestualidade. Canogar, por sua vez, após viagem aos Estados Unidos, passa a utilizar materiais como fibra de vidro e poliéster para compor relevos e esculturas que se remetem à cultura de massas.

A trajetória dos artistas aqui apresentados é inseparável da resistência à ditadura de Francisco Franco que durou de 1936 a 1973 na Espanha. O acervo do MAC USP possui obras de Antoni Tàpies e de Rafael Canogar. Deste último, pode-se ver, na entrada deste pavimento, o relevo intitulado Os revolucionários. Os dois artistas mantiveram diálogo com o ambiente artístico brasileiro, especialmente por meio de suas participações nas edições da Bienal Internacional de São Paulo, a saber: Tàpies (1953, 1957, 2005) e Canogar, (1971, 1979).


Localização

Contato


Crédito | Conteúdo